fbpx

Vi uma entrevista na televisão com um dos melhores jogadores de golfe do mundo. A pergunta era: "Vendo o quanto o golfista médio viaja, como é que equilibra o golfe e a família?" A resposta dele foi: "Fazemos o melhor que podemos". Depois de dar o seu testemunho, fiz a mesma pergunta a Ben Crane, um golfista profissional cristão. A sua resposta foi diferente: "Oh, comprei uma autocaravana e levo a minha família comigo. A minha mulher ensina os miúdos em casa". Ben viu o perigo e fez algo a respeito. A verdade é que os golfistas viajam tanto ou até mais do que os evangelistas. Mas, como cristãos, temos que fazer mais do que "fazer o melhor que pudermos".

Há alguns anos, recebi um telefonema de uma senhora que estava desesperada. "O meu marido e eu fomos a consultas, preenchemos questionários, seguimos técnicas, mas nada ajudou. Quem me dera que alguém nos dissesse o que estamos a fazer de errado para o podermos corrigir". Talvez um olhar sobre o que Deus quis que o casamento fosse ajudasse.

Há anos que eu e a minha mulher fazemos conferências sobre o matrimónio na América Latina. No entanto, no meu íntimo, sentia que faltava algo no que estávamos a ensinar. Cheguei à conclusão de que estávamos a começar demasiado tarde, precisávamos de voltar atrás e começar do princípio e definir o que é o casamento de acordo com a Bíblia. É esse o objetivo deste artigo, começar com o que Deus tinha em mente quando concebeu o casamento. Creio que isso constituirá a base de que os casamentos actuais necessitam.

O que é o casamento?

Então, façamos a pergunta: de acordo com a Bíblia, o que é o casamento? O casamento costumava ser conhecido como "a base da sociedade". Era comum ouvir: "Como a família vai, assim vai a nação". De facto, Deus escolheu o casamento para simbolizar a Sua relação com a Igreja, como se vê em Efésios 5.

Não cresci no seio de uma família cristã. O meu pai tinha um passado de algo e nunca falava de Deus ou da Igreja. A minha mãe foi criada numa igreja sacramental, mas nunca a frequentou. Quando, na adolescência, cheguei a casa e disse que tinha fé em Jesus Cristo, foi uma novidade para eles. De facto, os meus pais pensaram que eu tinha entrado para uma seita!

Como resultado, eu não tinha exemplos bíblicos em casa para seguir. Mais tarde, quando fui para o seminário, estudámos teologia, doutrina, grego e hebraico, história da Igreja e pregação. Ao contrário de hoje, havia poucos ensinamentos das Escrituras sobre a família. Quando a minha mulher e eu nos casámos, tivemos uma conversa de cinco minutos com o pastor; o aconselhamento pré-matrimonial era raro nas igrejas de há 57 anos.

Durante os anos seguintes, apercebi-me de que o que precisava de saber sobre o casamento podia ser encontrado na Bíblia. Se eu olhasse com atenção suficiente e aderisse aos princípios que se encontram na palavra de Deus, encontraria o que precisava. A seguir, apresento algumas das minhas descobertas.

O casamento é bom. "Então o Senhor Deus disse: 'Não é bom que o homem esteja só. Farei uma companheira que lhe seja idónea" (Génesis 2:18).

Tudo o que Deus criou era bom, exceto o facto de o homem não ter uma companheira. De acordo com Génesis 2:18, não é bom que o homem esteja só. Este primeiro ser humano gozava de uma relação íntima com Deus, mas Deus ainda não tinha terminado. Para melhorar a situação, Deus criou a mulher. Podia ter criado um companheiro ou uma companheira, como se diz na Austrália, mas não o fez. A presença da mulher tornou a situação do homem BOA. Ele criou uma mulher. Por isso, quando um homem e uma mulher se casam, é BOM! O casamento é bom.

Descobri mais versículos:

"O homem que encontra uma esposa encontra um tesouro, e recebe o favor do Senhor" (Provérbios 18:22).

"Que a tua mulher seja para ti uma fonte de bênção. Alegra-te com a mulher da tua mocidade" (Provérbios 5:18).

"A mulher digna é uma coroa para o seu marido, mas a mulher infame é como um cancro nos seus ossos" (Provérbios 12:4).

"Quem pode achar uma esposa virtuosa e capaz? Ela é mais preciosa do que os rubis" (Provérbios 31:10).

"Vive feliz com a mulher que amas... A mulher que Deus te dá é a tua recompensa por todo o teu trabalho terreno" (Eclesiastes 9,9). Recomendo também a leitura dos Cânticos de Salomão na Nova Tradução Viva.

Pessoalmente, não gosto de piadas que menosprezam o casamento. Detesto despedidas de solteiro que insinuam que este é o último dia de liberdade do noivo. Aos olhos de Deus, o casamento é bom, e no casamento há liberdade!

Uma breve conclusão: o seu casamento é bom, Deus disse-o! Encontre formas de o refletir na sua vida quotidiana.

Em segundo lugar, o casamento é para o companheirismo. "É por isso que o homem deixa o pai e a mãe e se une à sua mulher, e os dois são um só" (Génesis 2,24). Paulo cita esta passagem: "Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe. Unir-se-á à sua mulher, e os dois serão como uma só pessoa" (Efésios 5,31 NÓS).

O casamento é duas pessoas que caminham juntas para os mesmos objectivos. É um companheirismo recíproco onde cada um tem responsabilidades. O homem precisa de ajuda e a mulher precisa de ser ajudada. Para cumprir a obra que Deus tem para a família, o homem precisa de ajuda, e essa ajuda, antes de mais nada, vem na forma de sua esposa.

Há alguns anos, o "Sr. Evangélico" de um certo país fugiu com a sua secretária. Recebi uma cópia de uma carta aberta que ele enviou para explicar as suas acções. Numa parte dizia: "era lógico que eu tivesse este caso, pois nos últimos oito anos passei mais tempo com a minha secretária do que com a minha mulher".

O que a Bíblia considera como companheirismo requer passar tempo juntos e o casamento é companheirismo.

Reparem no que diz 1 Coríntios 11:9: "E o homem não foi feito para a mulher, mas a mulher foi feita para o homem".

Desde o início que os homens e as mulheres têm uma orientação diferente. O homem está orientado para o seu trabalho; a mulher está orientada para o seu marido. Ele é chamado a trabalhar e precisa desesperadamente de ajuda!

É bíblico que o homem trabalhe. Não se trata do tempo que passa no trabalho, mas do que faz com o seu tempo quando está em casa.

Génesis 2:18 explica que Deus fez uma "ajudante que é adequada para ele ("uma ajuda adequada" ASV; "ajudante adequada para ele" NASB, NIV). O maior propósito da mulher - é natural, vem de Deus - é ser uma companheira para o seu marido. Mas muitas vezes isso simplesmente não acontece. Porquê? Um companheiro é alguém que o conhece, que conhece as suas esperanças, os seus medos e os seus fracassos, mas que continua a ser esse amigo fiel. Para desenvolver este tipo de companheirismo, as duas pessoas têm de se conhecer verdadeiramente. Para os homens, por vezes é difícil abrirmo-nos.

Um marido e uma mulher procuraram-me para se aconselharem. O último dos seus sete filhos tinha acabado de sair de casa. A esposa estava arrasada! O marido pediu-me que lhe dissesse o que se passava com esta mulher. O problema era que eles nunca tinham desenvolvido uma relação íntima como marido e mulher. Ele tinha o seu trabalho e ela tinha os filhos. Quando o último filho saiu de casa, ela entrou em depressão.

O conceito de deixar pai e mãe é repetido em Mateus 19:5, Marcos 10:7 e Efésios 5:31. Quando a Bíblia repete algo quatro vezes, mostra que é de importância vital e talvez muitos não lhe estejam a dar a devida importância.

Algumas conclusões: Deus deu-nos as nossas mulheres para nos ajudarem no nosso trabalho, nas nossas vidas e para tomarmos decisões sensatas, etc. Nunca foi plano de Deus que o homem e a mulher vivessem em dois mundos separados. Ela vê as coisas de uma perspetiva diferente e pode ajudar o marido a tomar decisões, a avaliar as pessoas e a refletir. Um homem sábio aproveitará a intuição da sua esposa. Sejamos realistas, por vezes os homens têm dificuldade em aceitar conselhos. No entanto, se continuarmos a rejeitar os conselhos da nossa mulher, ela acabará por deixar de os dar.

Já vi alguns exemplos bizarros de um marido e uma mulher que vivem em mundos diferentes. Um jovem veio ter comigo porque o pastor se estava a atirar à namorada dele. O casamento do pastor? A sua mulher estava a pastorear uma igreja a três horas de distância do local onde ele estava a pastorear. Eles viam-se cerca de uma vez por mês!

Pessoalmente, nunca preparo uma mensagem sem deixar que a minha mulher a reveja cuidadosamente comigo. Ela é verdadeiramente a minha ajudante ideal. Já vimos que o casamento é bom e serve para o companheirismo.

Em terceiro lugar...

----

Vamos falar sobre casamento (Parte 2) estará disponível em breve!

Quer saber mais?

Ligue-se a nós para ajudar a espalhar o evangelho por todo o mundo.

Imagem do perfil
O Dr. Jim Williams é ministro desde 1968 na Associação Luis Palau, sediada em Portland, Oregon. Totalmente bilingue (espanhol e inglês), o Dr. Williams passou os primeiros 10 anos a viver no México e é agora vice-presidente responsável pelos ministérios de discipulado e de aconselhamento. O Dr. Williams é licenciado pela Universidade de Biola e Seminário Talbot com estudos em comunicação transcultural na Trinity Evangelical Divinity School e obteve o seu doutoramento no Seminário Teológico de Westminster em Filadélfia. É um autor procurado para artigos de revistas sobre assuntos relacionados com aconselhamento bíblico e é autor de quatro livros (todos em espanhol): Durante 15 anos, o Dr. Williams (conhecido na América Latina como Dr. Jaime Mirón - ver abaixo) foi emprestado à Tyndale House Publishers para liderar uma equipa para produzir uma nova tradução da Bíblia para espanhol. A Nueva Traducción Viviente foi lançada em 2010 e é semelhante à Nova Bíblia de Tradução Viva em inglês. Imediatamente, ele e a sua equipa foram trabalhar em notas para uma Bíblia de estudo que foi lançada em 2015. Durante seis anos serviu como editor de uma revista para pastores, Apuntes Pastorales. E também actuou como editor geral da primeira série de Comentários Bíblicos, originalmente escrita em língua espanhola por autores latinos. Está casado com a sua mulher Gail há 52 anos e têm um filho, Joel, que é casado, e é fisioterapeuta licenciado que pratica em Tualatin, Oregon. Ele e a sua mulher têm quatro netos, Joshua, Luke, Nathan e Benjamin. --- Jaime Mirón, maestro de la Biblia, conferencista, escritor y consejero bíblico, ha ministrado con el evangelista Luis Palau por más de 50 años. El Dr. Mirón se graduó de la Universidad de Biola y del Seminario Teológico Talbot y completó estudios en comunicaciones multiculturales en Trinity Evangelical Divinity School ubicado en Illinois. Em 1986, Mirón recibió su doctorado del Seminario Teológico Westminster en Pennsylvania. Fue editor general de la traducción de la Biblia que se llama la NTV (Nueva Traducción Viviente). É um projecto que se elabora em conjunto com a Editorial Tyndale em Chicago. Salió al público en mayo del 2010. Durante 6 años fue editor de la revista Apuntes Pastorales. También como editor general del Comentario bíblico del continente nuevo, recopiló una serie de comentarios escritos en español por autores latinos. Es solicitado como autor de artículos sobre temas relacionados com la consejería bíblica, el Dr. Mirón es autor de 4 libros: Mi esposo no es cristiano. ¿Qué hago? (Editorial Unilit); La amargura, el pecado más contagioso (Editorial Tyndale); ¿Está su iglesia convirtiéndose en una secta? (Editorial Tyndale); y ¿Estoy preparado para la guerra espiritual? (Editorial Unilit). Casado por 53 años con su esposa Abigail; tienen un hijo y 4 nietos.
Partilhar via
Link para cópia
Movido por Social Snap